Mostrar mensagens com a etiqueta veganismo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta veganismo. Mostrar todas as mensagens

5 dicas para explicar o veganismo para as crianças


Sê sincera/o

Com isto não se está a dizer para levar a criança a assistir Earthlings e suportar quinze anos de contas de terapia. Diz-lhe que algumas pessoas não vêem os animais da mesma forma que nós, que há muito tempo as pessoas comiam animais como os leões comem as zebras mas que, actualmente, temos supermercados e, por isso, não precisamos de fazer-lhes mal. Em vez disso, somos amigos dos animais e preferimos comer os nossos vegetais preferidos. Explica o que é um ovo ou brinca com isso, de como é nojento comer algo que sai do rabo de uma galinha. Ajuda a criança a fazer essa ligação com o ovo, para que perceba que produtos vindos de animais também não são comida.

“Veganos chatos, sempre a forçar as suas escolhas”


Existem outras formas de perpetuação da exploração dos animais (produtos de higiene e cosmética testados, compra e venda de cães, gatos e outros, vestuário, entretenimento, etc): todavia, para não ficar repetitivo, o presente texto é somente sobre a parte que trata os animais como comida.

Quando tinha conta no Facebook era ocasionalmente criticada por estar a defender os direitos de todos os animais: também escrevia sobre direitos humanos, feminismo, desigualdade social, discriminação racial e sexual, entre outros assuntos, mas decidiam chatear-se comigo quando eu publicava algo anti-especista.

Enquanto isso, no meu feed apareciam anúncios de páginas que eu nem sequer seguia, quase todas elas ligadas à exploração animal. Tais anúncios surgiam contra a minha vontade: mesmo quando clicava para eliminá-los, passados minutos apareciam outros com a mesma abordagem. Isto pôs-me a pensar no quanto é irónico as pessoas irritarem-se por alguém usar as redes sociais para denunciar um dos maiores crimes morais da Humanidade, ao mesmo tempo que aceitam placidamente estas micro-invasões, vestidas com o subtil véu persuasivo, de negócios que lucram com a morte de animais.

Todos os dias somos constantemente bombardeados com toneladas exaustivas de propaganda que gira em torno de uma alimentação à base de animais: anúncios na televisão, na internet, nas redes sociais, outdoors, folhetos com descontos e anúncios nas paragens de autocarro são só alguns dos meios de aliciamento para o consumo desses produtos. A publicidade tem, precisamente, esse objectivo: chamar a atenção, persuadir e manipular quem recebe a mensagem. Elementos aparentemente tão simples, como a cor, slogan, preço e apelo à emoção, levam à sensação de que o produto em questão é irrevogavelmente essencial, bloqueando o nosso pensamento mais crítico em relação ao mesmo.

«Mas o frango do campo não sofre como o frango industrializado»


Tudo parece ser tão libertador no campo: o som do vento a dançar por entre as árvores; o balir das tímidas ovelhas; nenhum arranha-céus a esconder as nuvens esvoaçantes no manto celestial; poder ver perfeitamente as estrelas à janela; o cheiro da floresta; o cantar da cigarra; o toque das amoras selvagens colhidas à tardinha. É impossível existir algo de errado neste ambiente pacato e tão harmonizado com a vida.

A vida.

“Não posso tornar-me vegetariano porque não gosto de vegetais”


Algumas pessoas têm relutância em fazer uma transição alimentar totalmente vegetal porque não gostam desta verdura ou daquela leguminosa: o receio de que a mudança para uma dieta vegetariana fique, por causa desses desgostos, demasiado restrita acaba por tornar-se num obstáculo que, inicialmente, achamos impossível de contornar.
Foi o que aconteceu comigo: quando resolvi parar de comer animais a primeira dúvida que me surgiu foi E agora? Como vou fazer isto se não gosto de 99,9% dos alimentos que existem neste glorioso planeta?

Lojas online para fazer compras VEGAN


Graças às lojas online é cada vez mais fácil adquirirmos produtos 100% veganos. Desde alternativas alimentares a produtos de limpeza e cosméticos, a variedade é imensa e facilita bastante a nossa transição para uma vida menos violenta. Vejam a lista com algumas lojas e maravilhem-se com a quantidade de coisas que podemos dar preferência em detrimento das que envolvem exploração animal.

Manual com 40 receitas veganas


Como as receitas são uma das coisas mais pedidas por aqui, decidi juntar o útil ao agradável e criar um PDF, totalmente gratuito, com 40 receitas sem quaisquer ingredientes de origem animal, todas elas de sites e blogues diferentes. Desde Portugal ao Brasil, passando pela França, Alemanha, Inglaterra, Canadá, Estados Unidos da América e Áustria, 40 autores aceitaram ceder uma das suas receitas e assim nasceu este guia culinário que revela a variedade de uma alimentação sem crueldade.

Este guia quer passar uma mensagem simples: é totalmente possível comer bem sem explorarmos e matarmos animais, ao mesmo tempo que não sacrificamos os sabores que mais adoramos. A título de curiosidade (e para abrir o apetite), poderão encontrar autênticas delícias como mousse de chocolate, mac 'n' cheese e coxinha.

Para além das receitas, tem informações adicionais sobre o veganismo e um bónus que vai facilitar imenso a vida na hora de cozinhar. Cada receita está identificada pelo autor e pelo site, estando este último com o respectivo link.

A todos os que participaram e tornaram este manual de receitas possível, um muito obrigada


Transferir o PDF aqui

Quanto custa realmente o bife que tens no prato? Este documentário responde

"Estudos mostram que a mudança climática e a falta de água estão directamente relacionadas com a quantidade de carne que consumimos. Não vamos ser bem sucedidos até que paremos com a agricultura animal."

2017 promete ser um ano cheio de filmes e documentários relacionados com o veganismo. Depois da BBC anunciar Carnage, já disponível no Youtube, mais um filme está prestes a sair do forno. Eating Our Way to Extinction descortina os problemas da exploração de animais para consumo e o impacto que a mesma tem em vários níveis. Questões morais, ambientais, sociais, financeiras e de saúde não foram esquecidas e as suas ligações são reveladas no documentário transacto, onde são somadas para totalizar o verdadeiro custo de comermos animais.

10 livros sobre direitos dos animais


Para celebrar o Dia Mundial do Livro, aqui fica uma pequena lista de obras que discutem os paradigmas e problemas que rodeiam a questão dos direitos dos animais. Mesmo para quem não se interesse por este assunto de cariz moral e ético, deixo o desafio aberto para a leitura de, pelo menos, um dos exemplares presentes.

Veganismo 101 — Manual de introdução


A Julia Harger, do Vegana é a Sua Mãe (site que já referi aqui e aqui) criou um livrinho bastante elucidativo sobre o veganismo e como este é fácil de ser praticado no nosso dia-a-dia. Mais focado na alimentação, por ser o assunto que mais levanta dúvidas, o manual também explica que o veganismo vai mais além disso, rejeitando tudo o que comporte exploração de animais como testes, entretenimento e vestuário. Outras abordagens, como alimentação vegana para crianças, nutrição, consumo de animais e impacto ambiental, entre outras, não foram descuradas e encontram-se igualmente incluídas. Quarenta e duas páginas cheias de amor e que valem a pena ser lidas e reflectidas 

BBC vai lançar filme futurista que mostra um mundo sem crueldade animal

"I have written and directed a film about veganism.
I’m sorry."

— Simon Amstell

A BBC anunciou o lançamento de um filme cujo tema central é o veganismo: Carnage - Swallowing The Past passa-se em 2067, num cenário utópico onde animais não são mais explorados pelos humanos. No enredo, os mais jovens não compreendem como os seus avós conseguiam compactuar com o massacre desnecessário de tantos animais e como eram capazes de comê-los. Juntamente com essas reflexões éticas, o filme mostra como no passado os animais eram tratados, contrastando com os princípios de uma época que encara o uso e abuso dos mesmos como práticas criminosas.

Escrito por Simon Amstell, um actor, comediante e director vegano, o filme conta com alguns destaques no elenco, como Martin Freeman (O Hobbit) e Joanna Lumley (O Lobo de Wall Street). Victoria Jaye, chefe de conteúdo da BBC iPlayer, declarou que o filme desafia-nos a pensar sobre o modo como encaramos os alimentos de origem animal e que nunca mais conseguiremos olhar para o nosso jantar como dantes.

O lançamento, na plataforma da BBC iPlayer, não tem ainda uma data concreta mas está previsto para meados deste ano. Até lá, podemos ponderar sobre os nossos hábitos com outros documentários: visitem este artigo e vejam alguns deles.

Imagem | Google

10 maneiras de usar tofu


Mas o tofu não tem gosto.
Carne crua também não.

O tofu é um alimento produzido a partir de grãos de soja. O seu processo de fabricação é similar ao do queijo de origem animal, com a diferença de que não tem hormonas, antibióticos e sofrimento como ingredientes. Oriundo da China, é bastante versátil por absorver facilmente qualquer molho, tempero e marinada; já a nível nutricional, é rico em proteína, fibra, cálcio e ferro. Acreditem, tofu é muito amor num só cubinho branquinho.

Com Lexy, o amor não se lê: vive-se❤


Já tinha escrito sobre o Lexy, o pequeno herói que explica o ABC do veganismo por entre uma explosão de rimas e cores. Tive a oportunidade de receber o livro (obrigada, Jardim das Cerejas) e fiquei completamente encantada com ele. As palavras respiram ternura, acompanhadas por ilustrações maravilhosas que nos transportam para uma divertida viagem sobre os animais e os seus direitos. É um pequeno mundo que reside em vinte e três páginas, ansioso por abraçar a consciência das crianças (e dos adultos também) e mostrar-lhes como é fácil viver sem fazer mal aos animais.

Livros que ensinam os direitos dos animais para as crianças

Outrora desconsiderados e desvalorizados, os animais e os seus direitos passaram a ser um dos assuntos mais ensinados e transmitidos para as crianças, o que revela o crescimento da consciência vegana dentro do universo infantil. Ruby Roth é considerada a pioneira dos livros sobre veganismo para os petizes, sendo que ela não está mais sozinha nesta luta pacífica: por cá também já se afirma a importância deste empoderamento moral com obras inseridas no mesmo contexto.

Aos especistas ferrenhos, que acusam a protecção dos animais como uma modinha chata, preparem-se: a próxima geração vai ser mais batalhadora, mais dedicada e mais chata ainda!



Autoria: Bárbara Magalhães
Ilustração: Tânia Bailão Lopes

10 documentários para despertar a consciência

Compaixão  A virtude de compartilhar o sofrimento do outro. Olhar para o outro.
Empatia  Considerar a possibilidade de uma perspectiva diferente da sua. Olhar com os olhos do outro.

Cada vez mais organizações, associações e particulares mostram o quanto é essencial encaixarmos a compaixão e a empatia no âmago das nossas responsabilidades e deveres como seres humanos. Há uns anos atrás isso não se sentia tanto, mas o grito silenciado do planeta levou a um despertar ético que, ainda assim, continua a não ser aceite por muitos de nós. É urgente compreendermos que o mundo não é uma pirâmide antropocêntrica e que existe mais vida para além da nossa e que essa vida quer continuar a respirar, a existir.
E que não quer sofrer.

Fazer mal aos outros, só porque são animais não-humanos e os consideramos inferiores, comporta outras consequências que encontram-se firmemente interligadas mas que insistimos em desmenti-las: a desflorestação, o aquecimento global, a fome mundial e os problemas de saúde são algumas delas.

Abaixo seguem alguns documentários que vão, com certeza, mostrar como precisamos de mudar os nossos hábitos quotidianos. Aproveitem as férias e juntem a família e/ou os amigos para vê-los.


Veganismo e problemas de saúde: O novo 'argumento' especista



VEGANISMO, SAÚDE E SENSACIONALISMO

Manchetes como estas têm-se tornado cada vez mais comuns e, por coincidência ou talvez não, numa altura em que o movimento vegano tem vindo a aumentar: a associação de problemas graves de saúde com uma alimentação sem componentes de origem animal é a nova arma para continuar a desinformar, monstrificar e desvalorizar o veganismo.

“Comendo Bem”: Guia de alimentação vegetariana para bebés e crianças


A Julia Harger, do blogue Vegana é a sua mãe, pediu autorização ao First Steps Nutrition Trust para traduzir, para o português do Brasil, um guia bastante prático sobre a alimentação exclusivamente vegetal para bebés e crianças até aos cinco anos.

Assim como a Julia frisou a diferença cultural entre o Brasil e o Reino Unido (país no qual o livro supracitado foi criado), em Portugal essas diferenças também encontram-se visíveis: no guia, por exemplo, muitas receitas incluem frutas enlatadas e nós temos o hábito de comprá-las no seu estado natural. Para além disso, é importante não substituir a ajuda profissional por este guia. Consulte um médico sempre que considerar pertinente (embora muitos continuem desinformados e considerem a alimentação vegana para crianças um caso de polícia, mas deixemos isso para lá).


 Transferir o guia aqui