Maternidade vegana com a Maria de Oliveira Dias 💜 The Love Food


Quando parei de comer animais, o blogue da Maria de Oliveira Dias foi o primeiro que descobri e que muito me ajudou. O seu trabalho, que alia a alimentação natural e saudável ao que mais adoramos comer, é uma inspiração e, por isso, não podia deixá-la de fora desta rubrica. Apaixonada pelos animais desde pequena, desafiou os hábitos convencionais ainda na infância: agora, transmite os valores da justiça e da compaixão ao seu filho. Venham conhecê-la um pouco melhor 


Fala um bocadinho de ti e do teu projecto.

Sou a Maria, sou vegetariana desde os 12 anos, puramente por razões éticas. Ao longo do tempo fui descobrindo que as razões são mais amplas: o planeta, as pessoas e a saúde também beneficiam com essa escolha. Em 2010 criei o blogue The Love Food com o objectivo de partilhar o quão simples, delicioso e benéfico é optar por uma alimentação saudável e vegana. 4 anos depois criei uma empresa com o mesmo nome e hoje dedico-me à consultoria e desenvolvimento de receitas.


Quando te tornaste vegana? Quais foram os motivos principais?

Há cerca de 10 anos. Porque descobri a forma de comer deve ser feita com respeito. Depois porque todas as escolhas que fazemos têm impacto no mundo.


Como foi a tua alimentação durante a gravidez?

Igual.


Como health coach e mãe, o que recomendas às mulheres grávidas que gostavam de ser vegetarianas mas que têm dúvidas?

Aconselho a comprarem o meu livro novo 🙂 Tenho tudo lá explicadinho, tim tim por tim tim. Não complicar e ouvir o corpo é fundamental.


Numa entrevista, disseste que Deixámos de pensar em alimentos para pensar em nutrientes. As grávidas e as lactantes estão incluídas nessa afirmação ou são casos à parte, em que os nutrientes têm mesmo de ficar acima dos alimentos?

Não há casos à parte: uma alimentação completa e diversificada serve para qualquer pessoa. De qualquer maneira é importante fazer as análises necessárias e compensar da forma possível as carências que possam existir.


Arte de Catie Atkinson

Depois de teres publicado o teu primeiro livro de receitas, fizeste outro específico para bebés e crianças. Em que te baseaste e o que pretendes transmitir com esse livro?

Tentei desmistificar, mais uma vez. Quando fiquei grávida ouvi sempre que não poderia ser vegana durante a gravidez. Depois do meu filho nascer, ouvi que ele não poderia ser vegano. É possível e é simples ter e dar uma alimentação saudável, deliciosa e vegana a toda a família, apostando em ingredientes da estação, de produção local e controlada, cereais integrais, leguminosas, oleaginosas, algas, sementes, enfim, tudo na sua forma mais pura. É o que dará um suporte nutritivo, completo e balanceado. É preciso pensar naquilo que comemos e, sobretudo, no que damos aos nossos filhos depois de amamentar. As papas empacotadas não são boas. Dou imensas sugestões de papas simples e variadas que se podem facilmente fazer em casa, e muitas receitas fáceis e rápidas que são boas para o dia-a-dia de uma família.


Apesar da crescente informação sobre alimentação vegetariana e saudável, ainda há muitas barreiras (familiares, sociais, médicas, etc.). Como podem os pais contorná-las?

Imensas! É incrível continuar a ouvir os mesmos comentários que ouvia quando me tornei vegetariana aos 12 anos. E hoje é tão fácil, há tanta informação fidedigna. Por exemplo, eu demorei alguns meses a encontrar o pediatra perfeito. Se não serve, muda-se. Se aquilo em que acreditamos e fazemos em casa funciona para nós e para a nossa família, o melhor que temos é explicar as nossas razões a quem nos impõe barreiras e manter o que funciona. Se explicar não vale a pena, a solução é sorrir e seguir em frente.


A teu ver, como devemos abordar o veganismo às crianças?

Qualquer criança distingue o bem do mal. Nenhuma criança comeria animais se soubesse que são animais. Basta explicar de onde vem e como funciona o processo. É cru, mas é a verdade.


O veganismo é mais do que justiça: também é um movimento político. Vês a maternidade vegana como um tipo de militância, em que a educação dos mais novos é importante nesta luta pelos animais?

Não o vejo como movimento político. Para mim a economia funciona melhor como motor do que a política, e pessoas bem informadas fazem escolhas que mudam o mundo. Se ninguém comprasse carne não se venderia carne, poucas leis seriam tão eficazes como a escolha económica. Em relação ao meu filho, tento passar-lhe os melhores valores do respeito por todos, na esperança que sejam sementes que dêem frutos e que ele seja uma pessoa, de facto, civicamente responsável. ■


Sigam a Maria nas redes sociais:
Blogue | Facebook | Instagram

10 comentários

  1. Bem interessante esta entrevista :)
    Obrigada por visitar o meu blog e parabéns pelo seu.
    Volte sempre.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Quero imenso mudar a minha alimentação, tornando-me primeiramente vegetariana! Para mim é um desafio enorme, mas um dia quero mesmo cumpri-lo <3
    Beijinhos,
    Blog An Aesthetic Alien | Instagram | Facebook
    Youtube

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito importante querer e tenho a certeza que vais conseguir ^_^
      Beijinho*

      Eliminar
    2. Boa sorte Sofia! Eu comecei por ficar um ano sem comprar nada animal, se queria ia comer fora. Agora mesmo indo comer fora, como vegetariano!! ����

      Eliminar
  3. Está a ser um enorme gosto acompanhar esta série de entrevistas, porque tens trazido pessoas inspiradoras, que nos permitem compreender melhor as suas opções, porque as transmitem de forma clara :)

    r: O ambiente conta imenso e os Jardins do Palácio de Cristal combinam muito bem com o evento em si. Adoro mesmo e custa-me quando não consigo ir
    Obrigada pela dica, minha querida. Acho que nunca vi o site da editora, mas tenho que mudar isso

    ResponderEliminar
  4. Eu admiro quem é vegetariano ou vegano porque não é fácil.
    Eu não conseguiria hahaha.
    Lindo seu blog!! :)

    https://heyimwiththeband.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso é muito fácil e agora já há imensa informação :)
      Obrigada*

      Eliminar
  5. Amei seu post, acho que parar de comer carne para mim não seria um desafio, mas não é tão fácil porque na minha cidade não tem opção para quem vira vegano ou vegetariano. Adorei a entrevista!

    www.kailagarcia.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei onde vives, mas com certeza que tens o essencial para uma alimentação vegetal: frutas, legumes, vegetais, cereais e leguminosas. Até é bem mais barato :)
      Beijinho*

      Eliminar
  6. Gostei imenso da entrevista! :)
    Embora não seja vegana nem vegetariana, gosto da forma descomplicada e leve como abordas o tema, e como procuras desmistificar alguns pré-conceitos que essa escolha ainda, e injustamente, sofre.

    Beijinhos,

    Beijinhos,

    Daniela
    https://www.palavrapadrao.com/

    ResponderEliminar