10 marcas que pensamos ser cruelty-free, mas que não são (pt. 2)


O termo cruelty-free aplica-se a produtos que não foram testados em animais, sendo que só pode ser considerada totalmente livre de testes em animais toda a empresa que:

– Não realize testes em animais;
– Não compre ingredientes a fornecedores que testam em animais;
– Não envie ingredientes para que terceiros testem em animais;
– Não venda em regiões que obrigam testes em animais.

Já para ser classificado como vegano, um produto, além de cruelty-free, não deve ter nenhum ingrediente de origem animal.

Infelizmente, muitas marcas continuam a sujeitar-se a um sistema que sacrifica milhares de animais por ano, sendo que algumas delas são erradamente vistas como livres de crueldade pelos consumidores. Abaixo seguem alguns exemplos.

Nota de actualização (27/01/2020): Para a lista ficar mais completa, foram acrescentados os prints das declarações das marcas apresentadas, bem como as respectivas traduções e outros materiais considerados relevantes.


1. CAUDALIE

A Caudalie vende na China, cujas regulamentações exigem testes em animais.

Declaração da Caudalie no seu site. {fonte} 
Desde que foi fundada que a Caudalie é contra os testes em animais. Nenhum dos nossos produtos ou ingredientes que usamos são testados em animais, de acordo com os regulamentos europeus. Utilizamos métodos alternativos para testar os nossos ingredientes e produtos acabados.

Dito isto, na China, onde os nossos produtos são distribuídos, as autoridades podem impor testes aleatórios em animais. Estamos comprometidos com a abolição desses testes (...) É por isso que financiamos a IIVS, que actualmente está a pressionar o governo chinês para que pratique métodos alternativos. (...)

Como já foi explicado aqui, todas as empresas/marcas que queiram comercializar na China precisam de assinar um acordo no qual autorizam que os seus produtos sejam testados em animais. Sendo assim, empresas/marcas nessas circunstâncias não podem ser consideradas cruelty-free, mesmo que não sejam elas próprias a testar em animais.


2. PHEBO

A Granado, proprietária da Phebo, cedeu 35% do seu negócio para a Puig, uma gigante espanhola que também possui marcas conhecidas como a Prada, Paco Rabanne, Nina Ricci e Antonio Banderas.

Declaração da Granado no seu site. {fonte}

A Puig nada revela sobre a sua política de testes em animais: contudo, vende na China.

Excerto de uma entrevista da Financial Times a Marc Puig, presidente da empresa. {fonte}

Apesar da Granado/Phebo não ser vendida no país, não deixa de ser uma marca pertencente a uma empresa ligada a testes abusivos. Ao comprarmos algo dessa marca estamos a dar dinheiro à Puig: por outras palavras, o nosso dinheiro beneficiará uma empresa que continua a testar em animais.


3. RISQUÉ

A Risqué foi comprada pela Coty Inc., empresa que já foi citada aqui e que, como tantas outras, testa em animais para cumprir os requisitos chineses.
A condição da Risqué é a mesma da Granado/Phebo: mesmo não sendo comercializada na China, a sua compra favorece uma empresa que perpetua a exploração animal.


4. MUSTELA

No site francês declara não testar em animais e não oferece mais informações. Tentei contactar a Mustela France, Mustela USA e a Expanscience Laboratoires (a sua empresa) mas nunca recebi resposta. No entanto, a China está presente na sua lista de países.

Website da Mustela, que inclui uma plataforma chinesa. {fonte}

No seu site internacional também aparece o que aparenta ser um laboratório ou um representante da marca na China:

Secção Mustela In The World, que mostra onde a marca está estabelecida globalmente. {fonte}

Pesquisei sobre a Profex e no seu site apresenta-se desta forma (podem ler na íntegra aqui, em inglês):

Fundada em 2001 e sediada em Xangai, a Profex é a primeira empresa global especializada em saúde geral, com foco na saúde da pele e estética médica na China Continental. A Profex tem se dedicado continuamente a explorar, licenciar, adquirir e comercializar os principais produtos dermatológicos e de cuidados com a pele para atender clientes e consumidores chineses. A Profex tem desenvolvido parcerias estratégicas de longo prazo com empresas multinacionais, como parceira exclusiva da comercialização no mercado chinês.

O papel da Profex clarifica as coisas, ao ser o elo de ligação entre a Mustela e a sua comercialização na China. Sendo assim, a Mustela é, de facto, vendida no país e, portanto, os seus produtos são testados em animais.


5. L'OCCITANE

Mais uma multinacional que vende na China.

Declaração da L'OCCITANE sobre os testes em animais no seu site dos Estados Unidos. {fonte}
O Grupo [L'OCCITANE] é contra testes em animais (...). Na China, onde os nossos produtos são vendidos, as autoridades chinesas locais solicitam que alguns produtos cosméticos vendidos no mercado chinês sejam testados. Eles vêem isso como a melhor maneira de salvaguardar a segurança do consumidor na China.

Nós não realizamos esses testes. Eles são feitos por laboratórios chineses que foram aprovados pelas autoridades locais (...).

Já o disse um milhão de vezes e torno a dizê-lo: empresas que são verdadeiramente contra os testes em animais não aceitam comercializar numa região que exige esses testes por lei. Mesmo quando a empresa não realiza testes em animais, ao permitir que os seus itens sejam testados por outros está a ser tolerante com essa prática cruel.


6. HERBAL ESSENCES

A Herbal Essences é uma prova de que não podemos confiar em ONG's que conferem certificações e selos cruelty-free. Em Fevereiro de 2019, esta marca foi notícia por ter conquistado a certificação da PETA, comprometendo-se, também, a não testar em animais e a não ter os seus produtos testados em circunstância alguma, incluindo na China.

Além de pertencer à Procter & Gamble, uma empresa que testa em animais, qualquer marca vendida na China, mesmo quando estabelece acordos com as fábricas e autoridades locais, não consegue escapar totalmente aos testes em animais. Isso deve-se por um requisito da lei pós-comercialização, que exige a retirada de produtos já à venda para serem testados em animais em caso de reclamação ou de necessidade em conferir se o produto cumpre os critérios de segurança.

Para saber mais sobre esse assunto, ler A China e os Testes em Animais.


7. LOVE BEAUTY AND PLANET

Também certificada pela PETA, A Love Beauty and Planet pertence à Unilever, uma das empresas que mais tortura e mata animais para testes.

Excerto da declaração da Unilever no seu site. Ler na íntegra aqui. 
Não testamos os nossos produtos em animais e estamos comprometidos em acabar com os testes em animais. A Unilever cumpre as proibições de testes em animais da UE para cosméticos desde 2004 e apoia os pedidos para que proibições similares sejam introduzidas globalmente.

Ocasionalmente, em todo o nosso portefólio, alguns dos ingredientes que usamos precisam de ser testados pelos nossos fornecedores para cumprir com os requisitos legais e regulamentares em alguns mercados; e alguns governos testam certos produtos em animais como parte dos seus regulamentos.

No Ethical Consumer, um portal que publica informações sobre o comportamento social, ético e ambiental de milhares de empresas, a Unilever está com a pior classificação na categoria de política de testes em animais. De acordo com o mesmo portal, a Unilever embora pareça trabalhar para acabar com o uso de animais em testes no sector cosmético, alimentar e de limpeza doméstica, opera em países que ainda exigem testes em animais. 

A gigante multinacional também está envolvida noutros escândalos: conivência com o desmatamento de florestas na ilha de Sumatra e exploração humana são algumas delas.

A Unilever, bem como outras empresas com condutas pouco éticas, recorre ao greenwashing para passar a falsa ideia de que está a lutar contra os problemas relativos ao ambiente e ao bem-estar animal, de modo a cativar os consumidores. A Love Beauty and Planet é um exemplo disso.

Por fim, a Unilever continua a comercializar os seus produtos onde testes em animais são requeridos por lei quando tem a opção de não o fazer. Comprar as suas marcas, incluindo a Love Beauty and Planet, é dar dinheiro a uma empresa que lucra por cima do sofrimento e morte de milhares de animais.


8. NIVEA

A latinha azul mais famosa do mundo continua a ser erradamente vista como uma boa opção para fugir aos hidratantes testados em animais. Contudo, ao pertencer à Beiersdorf Germany, que aceita que os seus produtos sejam testados devido ao regulamento chinês, a Nivea está longe de ser cruelty-free.

Declaração da Nivea no site australiano. {fonte} 
A Beiersdorf, organização por trás da marca Nivea, não faz testes em animais. (...)

Todavia, na China, os testes em animais são mandatórios por lei para o registo e certificação oficiais da segurança de determinadas categorias de produtos. Nesse caso, os testes são realizados por instituições locais autorizadas pelo estado e não pelas empresas que vendem o produto. O nosso objectivo é convencer essas autoridades de que os testes em animais para cosméticos são desnecessários (...)
Declaração da Beiersdorf no seu site. {fonte} 
A Beiersdorf não realiza nenhum teste em animais para produtos cosméticos e ingredientes e não realiza nenhum teste em seu nome - a menos que, em casos muito raros, isso seja especificamente exigido por lei. Os testes em animais para produtos cosméticos foram completamente banidos na UE desde 2004 e para todos os ingredientes desses produtos desde 2013. (...)

A Beiersdorf, além de vender produtos das suas marcas na China, também conduz testes em animais directamente quando requerido por lei. Enquanto muitas marcas preferem não vender os seus produtos quando testes em animais são exigidos, a Beiersdorf, que se diz contra esses testes, escolhe executá-los em vez de recusá-los.


9. SANTE Naturkosmetik

Em Agosto de 2018, a L'Oréal anunciou a aquisição total da empresa alemã Logocos, que inclui as marcas SANTE, Logona, Neobio e Heliotrop.

Manchete da notícia sobre a compra da Logocos pela L'Oréal. {fonte}

Como já foi aqui explicado, a L'Oréal é uma das gigantes que continua a testar em animais. Isso faz com que a SANTE, bem como todas as marcas adquiridas pela L'Oréal, não sejam cruelty-free. De facto, a compra da Logocos pela L'Oréal não foi muito bem-vinda por vários consumidores alemães, que demonstraram o seu descontentamento nas redes sociais.


10. BIODERMA

A Bioderma não se pronuncia oficialmente sobre este assunto, mas um breve clique no mapa mundo mostra que está estabelecida na China.

Mapa do site da Bioderma, mostrando que está situada em Xangai, China. {fonte}

Para corroborar, a Bioderma está na lista de marcas a evitar do Logical Harmony, Cruelty Free Kitty, Ethical Elephant e Ari Vegan. Também encontrei este comentário na página de Facebook da Bioderma USA e que comprova que a marca não é cruelty-free.

Para o desenvolvimento dos seus cosméticos, a Bioderma não faz testes em animais. Ademais, todo o produto respeita uma rigorosa tabela de formulações, para garantir a maior segurança dermatológica.
A Bioderma vende alguns produtos na China e podemos assegurar que eles não foram e nunca serão testados em animais.
No entanto, as autoridades chineses podem decidir, por conta própria, testar os produtos de beleza antes de permitir que sejam vendidos no seu país. Nós não interferimos de forma alguma nesse processo e isso não é, de forma alguma, a nossa vontade, os nossos valores ou da nossa responsabilidade.

Breve nota sobre o último parágrafo: a Bioderma está a contradizer-se quando diz não ser da sua vontade que os seus produtos sejam testados pelas autoridades chinesas. Todas as marcas que comercializam na China têm pleno conhecimento do regulamento vigente e que exige testes em animais, pelo que se vende lá é porque assim o quer e, portanto, os testes feitos nos seus produtos também são da sua responsabilidade.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

Querem conhecer marcas, produtos e alternativas verdadeiramente cruelty-free? Vejam este artigo ou enviem uma mensagem se procurarem por algo específico.


Ver também:

22 comentários

  1. Ler este post mostrou-me muitas coisas que não fazia ideia!!

    ResponderEliminar
  2. Eu adoro os teus post.
    Muito obrigado por te dares ao trabalho de te informares tão bem e por partilhares todas estas informações.
    Beijinho enorme minha querida Mel💚

    ResponderEliminar
  3. Oláá!
    nossa, muito bom o post para a gente se informar!
    como eu compro coisas dessas marcas.. Estou chocada!! :O
    Precisamos ficar sempre atentas e pesquisar. Obrigada por partilhar!
    beeijo


    http://lecaferouge.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  4. Com muita pena minha, há marcas que não fazia ideia que não eram! Por vezes torna-se difícil evitá-las :/
    Obrigada pela partilha, vale a pena saber! :)

    http://free-colors.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Não testar em animais é uma coisa. Usar ingredientes obtidos de animais é outra. Tem muita marca que não testa mas quando a gente vai ler os ingredientes tem sempre algo de origem animal ali, escondido sob nomes que sequer imaginamos que sejam de produtos ou matérias animalizadas. Busco primeiro pelos ingredientes. Se ali tem algum derivado animal, desisto. Se não tem, sigo investigando se testam ou não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O primeiro artigo com uma lista deste género tem logo no ínicio esse assinto (sobre ingredientes de origem animal).

      Eliminar
  6. A Nivea ? Possa que coisa ...não fazia ideia mesmo !
    adoro estes posts !
    Beijinhos ♡ O Olhar da Marina

    ResponderEliminar
  7. DEUS MEU!!! São muito mais do que as imaginava :( à uns anos tinha visto uma lista das marcas que testavam em animais e passei a evita-las e à dias sobre da RISQUÉ que tamb testava em animais. Mas a lista que meteste aqui ainda é maior. Começa a ficar complicado de saber o que é ou não testado em animais :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sara,

      Para separarmos imediatamente as marcas que testam das que não testam, devemos ter em conta que uma marca é somente cruelty-free se:

      Não realizar testes em animais;
      Não comprar ingredientes a fornecedores que testem em animais;
      Não enviar ingredientes para que terceiros testem em animais;
      Não vender em regiões que obrigam testes em animais.

      Muitíssimas marcas (especialmente as mais conhecidas e facilmente encontradas em supermercados) não respeitam esses critérios, continuando a permitir que os seus produtos sejam testados em animais para que possam ser comercializados em regiões que obrigam a isso. O melhor que podes fazer é pesquisares sobre uma determinada marca e, se os resultados da pesquisa forem insatisfatórios ou ambíguos, entrares em contacto com a marca. Caso não receberes resposta é preferível não usares até obteres conhecimento concreto sobre a política deles a esse respeito.

      Existem duas formas de "descomplicar" esse problema que referiste, mas que ainda assim não são 100% de confiança e já vais perceber porquê:

      Ficares-te por produtos com o selo cruelty-free (o primeiro exemplo deste post, sobre a Caudalie, revela como este factor não é totalmente seguro);
      Procurares por listas (tendo em conta que muitas delas estão incompletas/erradas/desactualizadas).

      Pessoalmente, só escrevo sobre produtos que respeitam escrupulosamente todos os pontos que já mencionei acima e descarto automaticamente quando uma marca não me sabe responder se algum fornecedor testa em animais ou quando nem sequer me responde.

      Vou deixar-te este link com uma lista de produtos de higiene e beleza (inclui listas nas quais confio plenamente e redirecionamentos para artigos deste blogue): http://grito-silenciado.blogspot.pt/p/lista-de-produtos.html

      Como falaste da Risqué, também te deixo este link com uma lista de 40 vernizes não testados em animais: http://grito-silenciado.blogspot.pt/2016/10/40-vernizes-nao-testados-em-animais.html

      Se quiseres saber sobre algum produto/marca em questão, dá uma pesquisa por aqui e, caso não encontrares o que desejas, escreve-me e eu procurarei ajudar-te dentro do possível ^_^

      Beijinho*

      Eliminar
  8. Obrigada por este post. Não imaginava a Nivea e a Mustela :(

    ResponderEliminar
  9. Sempre a aprender, não fazia ideia!

    ResponderEliminar
  10. Oi tudo bem, estava lendo sobre a Puig e no site nao fala nada sobre vender pra China, onde voce teve essa informacao? obrigada desde já =*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São poucas as empresas que têm a coragem de declarar que permitem que os seus produtos sejam testados em animais quando o regulamento de determinado país o exige. Várias organizações e individuais têm a Puig na lista negra, sem contar com a notícia de que a transacta entrou no mercado chinês em 2010. Isso faz com que todas as marcas pertencentes à Puig não sejam cruelty-free.

      Notícia:
      http://barcelonalinks.org/en/blog/puig-group-goes-on-the-offensive-in-the-chinese-market

      Declaração da Ethical Consumer:
      http://www.ethicalconsumer.org/companystories.aspx?CompanyId=22255&CategoryId=207

      Puig na lista da PETA:
      https://www.peta.org/blog/buyer-beware-animal-testing/

      Eliminar
    2. PS: Quase me esquecia; o Vista-se, que é um dos portais mais informativos sobre o veganismo, também confirma esta afirmação.

      https://www.vista-se.com.br/fabricante-do-sabonete-phebo-tem-parte-vendida-para-empresa-acusada-de-testar-em-animais/

      Eliminar
  11. Todas as marcas comercializadas em farmácia são testadas em animais. Marcas referidas de cosmética francesa são comercializadas no EUA e também são testadas em animais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há marcas comercializadas em farmácia e marcas francesas de cosmética que não são testadas em animais: a VITIS e a Avril são exemplos disso, respectivamente.

      Eliminar
  12. Será que a marca portuguesa Couto testa em animais?

    ResponderEliminar